Quando já nada faz sentido – HÁ UMA SOLUÇÃO

Quando já nada faz sentido – HÁ UMA SOLUÇÃO

Mude a consciência… crie uma nova realidade

Não estou aqui para ensinar nada a ninguém, muito menos para tentar convencer seja quem for. Quando chegamos a um beco sem saída, quando já nada faz sentido, chegou a hora de mudar. Foi assim comigo e é assim com todos, que em vez de ficarem no vitimismo, preferem deixar a sua pegada na nova era. Já há mais de dezoito anos que em todos os meus artigos eu alerto para o facto de o mundo já ter mudado.

Nessa mudança, o ser humano deixou de se deslocar na horizontal para se deslocar na vertical. Mas muitos de nós, acredito que a esmagadora maioria, não estariam prontos para essa mudança e continuamos a deslocarmo-nos na horizontal até quando tomamos consciência que a nossa vida não faz sentido algum. Assim, com a admissão da impotência
em relação à situação que nos encontramos, começamos a perder a densidade das nossas estruturas mentais e a consciência começa a aclarar. Começamos a entender que andamos a lutar por aquilo que não conseguimos suportar. Percebemos que vamos num caminho paralelo à vida. E que todas as nossas lutas, vitórias e derrotas não passaram de jogos de diversão para nos alhearmos da própria vida. Não importa o porquê, nem quem nos levou ao engano. Tentar perceber o porquê seria iniciar ilusoriamente outro jogo para continuarmos afastados da essência da vida.

Se te identificas com o que foi escrito nestas duas centenas de palavras estás pronto para o acesso a uma consciência mais ampla e liberta da atração da lei da gravidade materialista. Já aprendeste que os sentidos nos enganam e toda a competitividade foi uma luta ilusória pela sobrevivência. Criando uma luta infantil de faz de conta em que predador e vítima alternavam jogo após jogo.

Vejamos como ainda se encontram milhões de pessoas em todo o mundo. Mergulhados na ilusão dos sentidos, identificando-se com o problema que transportam consigo, em vez de seres espirituais dotados de poder divino à procura de uma solução perfeita e criativa.
Recebo diariamente, na rubrica A Casa Escola António Shiva tem uma solução, dezenas de pedidos de ajuda como estes, que recebi nos últimos 10 minutos, enquanto escrevia estas palavras:

Qual é a tua situação: Minha filha tem 17 anos e tem epilepsia de difícil controle desde que nasceu.
O que desejas: Gostaria de saber se ela pode tomar oxxxxxxxxx, se é bom para o caso de epilepsia. Ela toma remédios de uso continuo. Obrigada
Qual é a tua situação: Tive ataque cardíaco, uma artéria entupida, e tenho verificado que minha pressão está sempre um pouquinho alta. O resto tá ok. Qual a dosagem por quanto tempo tomo. obrigado
O que desejas: A contraindicação no meu caso?
Reparem que aqui o autor, um homem de 57 anos, nem refere o suplemento que pede sugestão.
Qual é a tua situação: Tenho alopecia áreata fibrosante.
O que desejas: Gostaria de saber se o xx pode resolver o meu problema e caso seja possível como proceder? Desde já agradeço.
Qual é a tua situação: Tenho hipotiroidismo e tomo xxxxxxxx diariamente.
O que desejas: Posso usar xxxxxxxxxxxxxxx?

É com o coração a vibrar de gratidão e muita compaixão que respondo diariamente a todos estes pedidos de ajuda. Mas se
repararmos com atenção percebemos que todos eles se identificam com o problema que carregam consigo. Na questão “o que desejas” ninguém procura a recuperação do problema, mas algo que possa juntar ao que já tem para o remediar. São homens e mulheres presos na ilusão dos sentidos, necessitando de ajuda para as suas maleitas. Merecedores de todo o respeito, amor e carinho ainda profundamente adormecidos. Este artigo, assim como os projetos da Casa Escola António Shiva , não se destinam a estes a que ainda não chegou a hora do despertar, apesar de os ajudarmos com nossa experiência, no mundo em que ainda se encontra.

O despertar de uma nova consciência pode ter origem na dor ou no amor. Quem não desperta através do amor, pode despertar como eu, através da dor. Ninguém vai ficar para trás, a humanidade está a entrar na “terra prometida”.

O que está a ser feito?

A Casa Escola António Shiva, assim como milhares de outras comunidades por todo o mundo, está a receber homens e mulheres, de todo o mundo, que chegaram ao fim da linha e a quem já nada faz mais sentido. Para que juntos e com a nossa experiência, possamos ajudar outros que estão a viver o que já vivemos a despertar e ampliar a consciência, criando uma nova realidade e contribuindo para o despertar de milhões como nós que um dia acordam e perceberam que a competição (vida de luta) só cava o vazio existencial.

Agora as perguntas mais frequentes:

  • Estaremos prontos para uma transformação de consciência e evolução interior tão radical e profunda que possamos superar todo o nosso sofrimento?
  • Seremos capazes de nos libertar da armadura do preconceito e tornamo-nos seres genuínos, libertos de julgamento?
    Penso que é este o caminho! Percorro-o nos últimos 20 anos.
  • E se não for este o caminho?
    Pode não ser este o caminho, só posso responder por mim. Neste caminho eu sinto-me realizado e feliz. Hoje quando vivemos rodeados da inteligência artificial, em que os conceitos tridimensionais do materialismo e o dualismo cartesiano caíram por terra, não seria muito inteligente guiar-me pelas mesmas veredas que levaram a humanidade a demência. Não estou aqui para ensinar nada a ninguém, muito menos para tentar convencer seja quem for. Foi assim com estas palavras que iniciei este artigo.

E com elas quero terminar, mas antes de me despedir, quero lembrar que as estruturas que governam este mundo estão a cada dia que passa mais instáveis, apesar do esforço para manter as aparências. O mundo já mudou e uma nova humanidade está a surgir. Os nossos netos são os protagonistas do novo mundo, compete-nos a nós, que vivemos no velho e novo mundo sermos o modelo de transformação e deixar este mundo melhor do que o encontramos.

É este o propósito primordial da Casa Escola António Shiva.
António Fernandes

A física quântica e a pedagogia da Casa Escola António Shiva

A física quântica e a pedagogia da Casa Escola António Shiva

Por: António Teixeira Fernandes

Nos últimos tempos muito se tem escrito e falado sobre física e mecânica quântica e a sua aplicação no quotidiano. Apesar de uma mente materialista não ter possibilidades de interpretar minimamente estes princípios, neste artigo vou ter mais uma vez a pretensão de abordar alguns princípios da mecânica quântica, para, de uma forma singela, ilustrar formas mais abrangentes de nos enxergarmos e enxergarmos o mundo à nossa volta.
Foi no último século do milénio passado que surgiu a física quântica, a ciência que está a revolucionar o mundo com o estudo do movimento dos átomos e suas partículas. Essa nova visão científica (que na verdade de novo pouco tem,) deita por terra todos os conceitos materialistas (Newtoniano/Cartesiano) sobre a realidade e dá origem a uma nova era. Assim como o domínio do fogo e a invenção da roda deram origem a novas eras na história da humanidade, também os princípios da física quântica impulsionarão a humanidade para uma realidade até aqui desconhecida. Apesar da física moderna ser clara, simples e acessível a qualquer criança, quando se quer entender através de um conceito dualista ou materialista ela se torna inacessível.

Porquê?

Observemos: na humanidade predomina o conceito materialista/dualista, em que o ter predomina em relação ao ser. Esta dominância prevalecerá até que haja um número suficiente de pessoas com a mente suficiente aberta para acatar os princípios da moderna física quântica, também conhecida pela física das possibilidades. A predominância do ter deve-se
essencialmente à ignorância incutida pelos já obsoletos princípios da velha física clássica e na “impossibilidade” que uma mente treinada nessas ciências exatas tem em conceber possibilidades infinitas dentro de um único acontecimento.
Então vejamos de outra forma; enquanto a física clássica nos apresenta princípios e ferramentas para calcular distância, tempo, peso, força, velocidade, stress, etc…, a física moderna através do princípio da incerteza e do famoso “efeito observador” demonstra-nos que o simples facto de observar transforma possibilidades quânticas (concebíveis) em
realidades na vida do observador.

Assim em vez da rigidez da física clássica, suporte de uma sociedade socioecónomica debilitada e doente, temos a flexibilidade e o poder transformador da física moderna, para nos transformar e modificar as instituições sociais, económicas e
políticas, e dar lugar a um novo homem, uma nova humanidade.
As partículas do átomo são vistas como ondas de possibilidades, pois podem estar ali, aqui e acolá, inclusivamente em vários lugares simultaneamente. Se agarrarmos como exemplo de partícula subatómica o fotão, através da velha experiência da dupla fenda, ficamos a saber que tanto se comporta como partícula, como se comporta como onda. Essa dupla característica, é designada pelos físicos da nova era “dualidade onda-partícula” e uma coisa não funciona sem a outra. Se enxergarmos através dos princípios exatos da física clássica, esta afirmação seria contraditória. Mas experiencias científicas, repetidas milhares de vezes em laboratório, comprovam que uma partícula subatómica ao ser observada sofre a interferência do
observador tanto pode parar, mudar o movimento ou mesmo o rumo. Ou seja, o observador é capaz de interferir no rumo da partícula e alterar a realidade do mundo quântico, embora não tenha controlo sobre o que vai acontecer.
Ciente do mundo de possibilidades infinitas (mundo subatómico) e convicto do poder do “efeito observador” entra-se num novo paradigma em que o material manifesta o espiritual.

Saber que tudo é átomo, e átomo é onda e partícula simultaneamente, e que uma não existe sem a outra de pouco, ou nada serve, enquanto não limparmos a mente dos preconceitos materialistas.
Uma mente quântica, é uma mente liberta de apegos a conceitos (preconceito). Pura para abranger todas as possibilidades e podermos ser donos e desenvolvedores do nosso livre-arbítrio. Apesar de sempre nos ter sido anunciado o livre-arbítrio, dentro dos conceitos clássicos ele não poderia ser usado. Não há direito de escolha. Mas com a física quântica temos o direito a possibilidades infinitas de escolha e podemo-nos libertar sempre de hábitos nocivos criadores de ansiedade, carência, depressão, stress, doença etc., através de uma inter – relação cósmica, que os cientistas chamam de não localidade quântica. Por outras palavras a moderna física quântica fornece ao observador possibilidades infinitas, para nos mudarmos a
nós mesmos, realizarmo-nos e contribuirmos para a mudança da sociedade atual.

Como é que funciona (como é possível)?

Na realidade quântica, uma partícula pode influenciar outra partícula. Ficou provado pela física moderna que um elétron pode influenciar outro elétron quando sofre a intervenção do observador. E o mais aliciante é que isso pode ocorrer à distância. Os cientistas, comprovaram em laboratório que o simples ato de observar ativa a interação e a comunicação dos átomos entre si. De uma forma mais simples o observador provoca uma ação em cadeia, quando perante uma determinada situação ou acontecimento, opta por uma possibilidade. Mas o mais relevante é que não existe distância. Não importa o local onde nos encontremos (local onde escolhemos uma dentro de um universo infinito de possibilidades) para a possibilidade escolhida ser realizada. Por exemplo: perante o anúncio de um desemprego, a perda de um negócio ou a avaria do automóvel ou mesmo de uma doença, a forma como é observada pelo próprio, assim será o resultado final. E se nesse ato de observar o acontecimento ou situação, precisar da intervenção de átomos na China, Japão, Rússia, ou mesmo fora do planeta ou do
sistema solar, não existe distância entre partículas. A esta ação a ciência dá o nome de “entrelaçamento de onda”.

Como com este conhecimento é possível melhorar (interferir) a realidade?

Se pensarmos no quotidiano dentro destes conceitos quânticos, podemos exercer uma correspondência e ao mesmo tempo uma aplicação desses princípios. Vejamos o nosso corpo é composto de átomos, assim como tudo que existe visível ou invisível, incluindo os pensamentos claro. Perante esta verdade científica, e se através do ato de observar o ser humano é capaz de alterar a realidade microcósmica, também posso alterar a minha realidade através de um pensamento criativo e de uma atitude proativa e positiva perante mim e o mundo que me rodeia. A verdade é que a realidade que cada um de nós experimenta resulta da forma como nos vemos, como vemos o mundo e vemos os outros. Por outras palavras, a nossa realidade reflete os nossos pensamentos, sentimentos, emoções e ações. Se não me sinto realizado na minha realidade, preciso mudar a forma como me vejo, vejo o meu trabalho, os meus vizinhos, políticos, instituições etc.
Se desejo receber beleza, bem-estar, abundância, alegria, felicidade, da vida, preciso dar tudo isso ao mundo. Acreditar que tudo o que eu dou ao mundo o mundo me devolverá. Da mesma forma que que uma partícula subatómica é influenciada no seu trajeto pelo observador, também qualquer um nós, pode mudar a sua realidade, quando mudamos a nossa atitude
reativa para uma postura proativa.

Exemplo de uma atitude reativa: eu fazendo parte do povo Português e reclamar dos corruptos, dos políticos ou do cão do vizinho, lamentando-me, culpando-os ou mesmo denunciando nas redes sociais, ou por outros meios, posso mudar a minha atitude reativa para proativa, responsabilizando-me pessoalmente por essa realidade. Se está na minha realidade eu sou responsável. Não sou o autor, mas sou responsável. Quando julgo, crio mais do que o que estou a julgar. Assumindo a responsabilidade, altero essa realidade. Se desejamos despertar o melhor em nosso mundo, precisamos pensar, falar, sentir e desejar o melhor para todos. Precisamos acreditar que o mundo tem o melhor para nos oferecer e esperar com
certeza e autoconfiança.
Perante os princípios da moderna física quântica, é urgente desenvolver o princípio integral da realidade e do papel ativo do ser humano, no bem-estar pessoal e coletivo. Cada um é responsável pela sua realidade. Somos todos um. O cosmo funciona como uma grande orquestra em que a interligação dos instrumentos faz a melodia. Nada acontece por acaso.
Nada é fruto da sorte ou do azar, tudo obedece à forma de observar, “entrelaçamento de onda”.
O Mundo já mudou, é urgente integrarmo-nos na nova era, como ativistas responsáveis…, e na liberdade do livre-arbítrio, concedida pela nova ciência, navegarmos em soluções perfeitas e criativas, em vez de continuarmos afundados no mar de problemas que entram pelas nossas vidas a dentro, através dos mais variados órgãos de comunicação.

António Teixeira Fernandes

Pin It on Pinterest